Para muitas pessoas, ter que assistir a uma apresentação em PowerPoint, especialmente no meio corporativo, equivale a sofrimento no grau máximo.

Entre as principais queixas, é super comum ouvir uma dessas duas: as apresentações são muito longas ou têm conteúdo demais.

Mas, peraí… As pessoas pagam cada vez mais caro por um ingresso e passam felizes duas horas dentro do cinema assistindo a um filme. Grandes sagas como “O Senhor dos Anéis”, com longas horas de duração, são vistas dezenas de vezes e geram uma legião de fãs apaixonados e fiéis.

E já que citamos “O Senhor dos Anéis”, quem já assistiu sabe que a trama é complexa, com muitos personagens, e que o volume de informações para acompanhar a história é muito grande. E ainda assim, os fãs sabem tudinho, na ponta da língua.

Então, se o problema não está na duração, e nem na quantidade de informação, por que as apresentações corporativas normalmente são tão chatas?

Porque, ao contrário do cinema, elas se limitam a fornecer dados, e não a contar histórias.

As histórias engajam, apaixonam, comovem. Elas geram curiosidade, interesse, e se conectam profundamente com as pessoas. As histórias criam fãs.

Se você olhar para a sua apresentação, verá que existe ali uma história a ser contada, e você só precisa achar a narrativa que melhor se adeque às suas necessidades. Pense que tipo de ação você gostaria que a sua plateia realizasse – comprar o seu produto, acreditar na sua ideia, engajar-se no seu projeto – e use o storytelling, que é a arte de contar histórias, a seu favor.

Eu garanto que você conseguirá muito mais resultados (e fãs) do que apenas mostrando gráficos e números.

Quer aplicar o storytelling à sua apresentação e não sabe como?

Fale com a Lumi Apresentações que a gente te ajuda!

Recommended Posts